Os Dez Mandamentos do Trabalho Espiritual


1.º - Não se desconectar da matéria. O excesso de espiritualismo pode criar uma descompensação com graves prejuízos para a vida pessoal e material de uma pessoa. A matéria é tão importante quanto o espírito. Ambos são matizes, graus da mesma manifestação. Nenhum dos dois pode prevalecer sobre o outro. Antídoto: Equilíbrio


2.º - Não despertar os poderes antes da consciência. Os poderes estão a serviço da consciência. Não é preciso buscá-los; quando chega o momento, eles surgem naturalmente. Buscar o poder antes do saber é inverter a ordem natural do processo. Para que sirvam à consciência, os poderes devem ser doados a partir de algo além de nossa vontade. Antídoto: Equanimidade


3.º - Não se fixar em pessoas, mas em suas mensagens. Você não monta uma casa em um túnel. Ele é só um meio para se chegar até ela. Assim também os mestres são fundamentais para nos “iniciar”, mas não para nos “continuar” e muito menos para nos “acabar”. A nossa realização terrena é missão de natureza personalíssima, ou seja, é indelegável, irrenunciável e, sequer, passível de ser partilhada, quanto mais entregue aos cuidados de outrem. Depender indefinidamente de um mestre terreno é optar por permanecer na infância da senda espiritual. Antídotos: Responsabilidade e discernimento


4.º - Não sentir excesso de autoconfiança. Quem se crê autossuficiente é uma presa fácil para os agentes do engano e não raro se vê envolvido por eles. Quem crê demais na própria capacidade está fadado a equivocar-se. O excesso de certezas, muitas vezes, se funda em um alicerce carente de verdades. Antídoto: Desconfiar de si mesmo


5.º - Não se sentir superior. Nunca julgue que a própria linha de trabalho é superior às demais. Essa superioridade é a antítese do esoterismo, que afirma justamente a onipresença da consciência em todos os seres e caminhos. Essa postura desconecta uma pessoa das autênticas correntes da consciência amplificada, e é o ponto de partida para o fanatismo. Antídotos: Equidade e moderação


6.º - Não se deixar levar por impulsos messiânicos. A vontade de salvar os demais é uma armadilha fatal. Sua tela de fundo é a vaidade e a insegurança. Essa ânsia desmedida obstrui os canais de conexão com o mestre interior e bloqueia o processo de autoconhecimento, além de interferir no direito ao “livre-arbítrio de cada um”. Antídoto: Confiança na existência


7.º - Não tomar medidas inconsequentes. O excesso de entusiasmo pode levar uma pessoa a romper com seu círculo profissional e familiar sem necessidade. A metáfora do “salto do escuro” não deve servir de incentivo deslumbrado e irresponsável para que neófitos desestruturem suas vidas. Antídotos: Prudência e serenidade


8.º - Não agir com demasiada rigidez. Encantada com as novas informações que lhe ampliam a consciência, uma pessoa pode se tornar intolerante. Ela tem a tentação de impor sua forma de pensar e seus modelos de conduta aos demais. Limitando sua capacidade de ver a partir de outras perspectivas, ela perde o acréscimo de consciência que havia conquistado. Antídotos: Tolerância e relaxamento


9.º - Não se dispersar. Estudar ou praticar demasiadas coisas ao mesmo tempo sem aprofundar-se em nenhuma delas leva a uma falsa sensação de saber. Nessa atitude, pode-se passar uma vida inteira andando em círculos, enquanto se faz passar por um sábio. Antídoto: Concentração


10.º - Não abusar. Manipuladas, as informações espirituais servem de álibis ou justificativas convincentes para os piores retrocessos. Usar o conhecimento esotérico para fins particulares tem consequências graves, pois ninguém profana impunemente o sagrado que pertence a todos. Antídotos: Retidão e integridade


(autor desconhecido) Via @JuliaLuah




Gratidão! Curta e compartilhe nossas postagens!


siga Ilumina Terra também no Facebook

www.facebook.com/iluminaterra

Posts Em Destaque